sexta-feira, dezembro 3

Revirando os arquivos 2... "Venham a mim os Aflitos!"

Como eu disse na postagem anterior, ontem revirando alguns arquivos encontrei varias coisa que me recordam grandes momentos. Hoje vou postar aqui mais um texto, dessa vez foi um que recebi quando participava de um encontro de jovens da igreja, ele tem mais de 4 anos, mas guardei-o por é especial, gostei muito. Vejam:


VENHAM A MIM OS AFLITOS!

    O mês da Bíblia me lembra a antiga história do farmacêutico que sentia prazer em ser chamado de ateu. Vivia irritado e fazia questão de dizer que não acreditava em Deus e, muito menos, em sua Palavra, a Bíblia Sagrada.
    Certo dia, quando acabava de fechar a farmácia, chegou uma criança para comprar um remédio. Diante de sua negativa, pois a farmácia já estava fechada, a criança chorando disse-lhe que sua mãe estava passando mal e que poderia morrer, se não tomasse o remédio. Muito nervoso com a insistência da criança, resolveu reabrir a farmácia para pegar o remédio. Sua má vontade era tão grande que não acendeu as luzes do salão. Pegou o remédio no escuro e entregou-o a criança, que pagou, agradeceu e saiu às pressas.
    Minutos depois, percebeu que havia fornecido o remédio errado e, se aquela mãe o tomasse, certamente poderia acontecer algo ruim. Desesperado tentou alcançar a criança, mas não teve êxito. Gritou pelos arredores e nada de encontrá-la. Sem saber o que fazer e com a consciência pesada, ajoelhou-se pegou a Bíblia que mantinha escondida e, aleatoriamente, abriu-a neste Evangelho: 
    "Vinde a mim todos vós, que estais aflitos sob o fardo, e eu vos aliviareis. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração, e achareis descanso para vossas almas. Pois meu jugo é suave e meu peso é leve" (Mt 11, 28-30).
    Após ler essas Palavras, chorando, fez este pedido: "Deus, estou aflito e desconsolado, se realmente o Senhor existe, venha em meu socorro e não me deixe passar por assassino".
    O tempo passava e ele, de joelho, ficava pensando que a mulher poderia já estar morta e, certamente, ele teria de pagar por isso. Refletiu sobre sua falta de fé e sobre a distância que mantinha de Deus. De repente, sentiu uma mão tocar-lhe o ombro. Ao virar-se, deparou-se com a criança em prantos. Naquele momento, ficou desconsolado  teve a sensação de que Deus realmente não existia. Já podia imaginar o que estava para lhe acontecer.
    O choro e o olhar triste da criança lhe atravessavam a alma. Ele então, sem saber o que dizer, perguntou ao menino o que havia acontecido. Chorando a criança começou a dizer: "Senhor, por favor, não brigue comigo, mas aconteceu que na presa de levar o remédio, eu caí e quebrei o vidro. Dá para o senhor me dar outro?"

Jorge Lorente.



Digam-me o que acharam do texto... É uma boa reflexão, não acham?
Obrigado a todos que estão acompanhando o BLOG.
Abraço.


5 comentários:

  1. Muito bom esse texto, nós faz pensar que mesmo sem notarmos Deus esta no segurando no colo e nos protegendo, e tb eh muito bom saber que temos um grande pai misericordioso nos livrando de nossas aflições!Parabéns belissimo Texto!

    ResponderExcluir
  2. Muito Lindo esse texto , parabéns!

    ResponderExcluir